Como é o tratamento biológico de efluentes?

Atualizado: 21 de Jun de 2018

O principal objetivo do tratamento biológico de efluentes é permitir que os efluentes humanos e industriais sejam eliminados sem perigo para a saúde e sem causar danos ao meio ambiente.


Como é o tratamento biológico?

O tratamento de efluentes de modo convencional consiste de um conjunto de medidas físicas, químicas e biológicas. São processos e operações para remover os sólidos, a matéria orgânica e, por vezes, os nutrientes a partir da água. Os termos gerais utilizados para descrever os diferentes graus de tratamento, a fim de aumentar o seu nível de qualidade, são:

  • Preliminares;

  • Primários;

  • Secundários;

  • Terciários.

Vamos conhecer agora cada um deles no post de hoje!

Tratamentos Preliminares

O objetivo do tratamento preliminar é a remoção de sólidos grosseiros e outros materiais grandes, frequentemente encontrados em efluentes brutos.

A remoção desses materiais é necessária para melhorar a operação e manutenção de unidades de tratamento subsequentes. Operações de tratamento preliminares tipicamente incluem triagem, remoção de areia e, em alguns casos, trituração de grandes objetos.

Tratamentos Primários O objetivo do tratamento primário é a remoção de sólidos orgânicos e inorgânicos sedimentados e a remoção de materiais que flutuam (escória).

Aproximadamente 25 a 50% da carência bioquímica de oxigênio, 50 a 70% do total de sólidos suspensos e 65% do óleo e gordura são removidos durante o tratamento preliminar. Algum nitrogênio orgânico, fósforo orgânico e metais pesados ​​associados aos sólidos também são removidos durante a sedimentação primária.

Tratamentos Secundários O objetivo do tratamento secundário é a remoção de produtos orgânicos residuais e sólidos suspensos. Na maioria dos casos, este tratamento envolve a remoção de material orgânico biodegradável dissolvido e utiliza de processos de tratamento biológico aeróbio. Este processo é realizado com a presença de oxigênio por microrganismos aeróbios (principalmente bactérias) que metabolizam a matéria orgânica no efluente, produzindo assim mais microrganismos e produtos finais inorgânicos (principalmente CO2, NH3 e H2O). Vários processos biológicos aeróbicos são utilizados para o tratamento secundário diferindo principalmente na maneira em que o oxigênio é fornecido para os microrganismos e a taxa à qual os organismos metabolizam a matéria orgânica.

Outra forma ainda nesse sistema são os de tratamento anaeróbio. Existem lagoas e filtros anaeróbios, tanques sépticos e reatores de alta taxa, que são capazes de receber maiores cargas orgânicas por unidade volumétrica. Para essa forma, dependendo do tipo de efluente, existe risco de emissões de odores. Esse risco varia dependendo muito do tipo de efluente tratado, do tipo de controle operacional do sistema e das características de equipamentos utilizados.

O tratamento anaeróbio converte parte da matéria orgânica em metano e gás carbônico, por isso é recomendado que haja a existência de queimadores de gases, uma vez que esse tipo de gás contribui mais de 20 vezes que o CO2 para a poluição da camada de ozônio.

Tratamentos Terciários Tratamentos terciários ou avançados são empregados quando constituintes dos efluentes específicos não podem ser removidos pelo tratamento secundário. Processos de tratamentos individuais são necessários para remover azoto, fósforo, sólidos em suspensão adicionais, produtos orgânicos refratários, metais pesados ​​e sólidos dissolvidos.

Como o tratamento avançado geralmente segue o tratamento secundário de alta velocidade, é por vezes referido como tratamento terciário. No entanto, os processos de tratamento avançados são por vezes combinados com tratamento primário ou secundário, por exemplo, adicionando produtos químicos para os clarificadores primários ou tanques de arejamento para remover o fósforo.


O tratamento biológico de efluentes de forma adequada é algo de extrema importância, tanto para a saúde das pessoas e do meio ambiente, assim como para a correta regulamentação das legislações. Fique sempre ligado nisso!

Controle de Odor nos Processos de Tratamento É importante frisar que em todos as etapas dos processos, é necessário o devido controle de odor, com o intuito de melhorar o ambiente em torno das estações de tratamento, evitar multas e advertências junto aos órgãos fiscalizadores e claro aumentar a qualidade do ambiente de trabalho das equipes de operações.

A Dux conta com linhas específicas de produto, tanto para prevenção dos odores gerados em processos de decomposição da matéria orgânica em tanques e lagoas, como para o tratamento de odores em exaustores industriais.


Saiba mais sobre nosso projetos personalizados de acordo com a necessidade de cada cliente, entre em contato para falar com um de nossos Consultores.

ANTES DO TRATAMENTO e APÓS O TRATAMENTO


© 2020 DUX CONTROLE DE ODORES | INDÚSTRIA QUÍMICA | Todos os direitos reservados.

CNPJ 13.771.610.0001-30 | ANVISA 3.07.044-2 | TEL: +55 (11) 4447-7190